Obskure celebra 30 anos com show no São Luiz
14/08/2019 | Por
obskure-celebra-30-anos-com-show-no-sao-luiz

Em uma era onde praticamente tudo é passageiro, comemorar 30 anos de carreira não é para qualquer um. Por isso, várias palavras podem ser usadas para representar a celebração destas três décadas de Obskure dentro do cenário da música pesada underground de Fortaleza. Gostaria de destacar duas: perseverança e referência.

Na capital cearense, o heavy metal está aos poucos ganhando mais visibilidade, e quando cito “referência”, me refiro ao fato de que a Obskure é uma das pioneiras – ao lado da Asmodeus, Beowulf e Insanity – no surgimento da cena heavy metal, que começou nos anos 1980. Já quando cito “perseverança”, me refiro ao fato de que, mesmo com tantos motivos para desistir, a banda continua produzindo, tocando e sobrevivendo a uma realidade que engloba outras de metal na Capital. Infelizmente o estilo ainda não dá o retorno financeiro merecido e é feito apenas por quem o ama de verdade.

Criada em 1989 pelos irmãos Amaudson e Jolson Ximenes, a Obskure começou dentro de casa, com ensaios feitos no quarto deles. “A gente tocava no quarto mesmo e sempre ia um pessoal acompanhar o nosso som. Era um pretexto também que a galera usava para sair de casa e se juntar nas tardes dos finais de semana”, relembra o baixista Jolson. Anos foram passando e a banda começou a fazer shows em outras cidades do Brasil, onde ganharam reconhecimento e respeito nacional. Além dos irmãos, a banda conta com Daniel Boyadjian (guitarrista), Germano Monteiro (vocal) e Mardônio Malheiros (bateria).

No currículo, vários companheiros de estrada e bandas respeitadas de outros estados se tornaram próximos da Obskure, como o Headhunter DC, Decomposed God e até os irmãos do Krisiun, considerada a maior banda de death metal do Brasil. Profissionais da imprensa também criaram vínculos com a banda. “Conheci o pessoal da Obskure quando fui a Fortaleza para ver de perto o trabalho da Associação Cultural Cearense do Rock (presidida por Amaudson). Isto foi em 2002 e, desde então, fui diversas outras vezes para Fortaleza para participar de palestras, seminários e debates”, relembra Ricardo Batalha, redator chefe da revista Roadie Crew.

O guitarrista e vocalista do S.O.H., Bruno Gabai, acompanha a Obskure desde os primeiros anos e fez parte da banda na época do disco Overcasting. “Fui pros primeiros ensaios em 1989. Eu tinha 16 anos, fazia bicicross e todo sábado a gente ia praticar na pista do Parque Araxá, almoçava na casa dos irmãos Ximenes e ficava pra ver o ensaio. A Obskure é um patrimônio do metal cearense. Acompanhei todas as fases, toda evolução musical, e sei da dedicação deles pela banda, pela cena local e pela cena cultura underground”. George Rolim, baixista da banda Omminous, concorda. “A Obskure hoje é referência não só local, mas nacional. São o standart do metal no Ceará. Um grande exemplo do que é ‘ser underground'”. “A Obskure ainda é uma das bandas mais importantes de Fortaleza, com certeza tem uma história de respeito na cena do Nordeste e do Brasil”, acrescenta o designer pernambucano Alcides Burn.

Outra palavra que pode representar a Obskure é “resistência”. Não é fácil fazer heavy metal no Ceará, ainda mais na vertente voltada ao death, mais sombria e com o som mais brutal. Os registros da banda sempre foram gravados por meio independente, sem ajuda de gravadoras. Os custos de produção, seja para clipe ou CD, são bancados pelos próprios músicos. A exceção fica pelo único edital no qual a banda foi aprovada e que ajudou na produção do álbum Dense Shades of Mankind (2012).

Mesmo na luta, a Obskure foi uma das primeiras bandas de death metal a incorporar teclado e também foi um dos pioneiros a ter mulheres em sua formação. “Eu já conhecia os meninos e eles me convidaram para tocar teclado na banda. Tinha tocado antes em um pequeno projeto, mas optei por mudar para a Obskure e cheguei a gravar o Overcasting, em 1997. Saí da banda por que na época fiquei grávida e as condições das viagens não eram muito adequadas para mim”, relembra Juliana Costa, tecladista da Obskure de 1996 até 1999.

O show especial!

Que homenagem é suficiente para tantas histórias e tanta representatividade na cena metal e cultural de Fortaleza? A celebração desta instituição da música pesada na terra do forró acontece nessa sexta-feira, 16, a partir das 19 horas, no Cineteatro São Luiz, quando a Obskure realizará um show especial em comemoração aos seus 30 anos de atividades.

A ocasião reunirá convidados especiais, setlist abrangendo músicas de todos os trabalhos da banda e, antecedendo tudo isso, a exibição do filme Black Sabbath Live… Gathered in Their Masses (2013), sobre a banda que é a principal influência dos membros da Obskure. O grupo, inclusive, já realizou tributo ao Black Sabbath em uma coletânea produzida pela Secret Service Records, dividindo as faixas com outras bandas do Brasil executando versões de clássicos dos pais do heavy metal.

Serviço

30 anos de Obskure
Quando: sexta-feira, 16. Exibição de filme às 16h30min e show às 19 horas
Local: Cineteatro São Luiz (rua Major Facundo, 500 – Centro)
Quanto: R$10 (meia) e R$20 (inteira). À venda pelo site Tudus e no local
Outras informações aqui

Obskure 30 anos

Deixe uma resposta

Próximos Eventos
Ver todos os eventos
Leia Também
Texto por: Bruno Andrade No último Dia dos Namorados, Os Intrusivos disponibilizaram na internet uma versão punk rocker para o clássico “Eu Queria Dizer...
Nesse texto quero abordar com você, caro leitor, um assunto que venho pensando ao longo dos meses, mas nunca sequer vi alguém falando sobre...
Viajei 350km de Fortaleza até Camocim para cobrir o Camocim Rock Fest 2019. Confira...
O Sanctifier conversou com o Detector de Metal um pouco antes de subirem ao...
Parceiros
OSBOX
Siga o Detector de Metal

Unable to display Facebook posts.
Show error

Error: Error validating access token: Session has expired on Sunday, 28-Apr-19 15:04:18 PDT. The current time is Friday, 23-Aug-19 19:16:17 PDT.
Type: OAuthException
Code: 190
Subcode: 463
Please refer to our Error Message Reference.