Korzus: Entrevista com Marcello Pompeu
26/03/2019 | Por
Korzus: Entrevista com Marcello Pompeu

Estas perguntas estavam guardadas desde o ano passado, na tentativa de ter entrevistado o Marcello durante sua passagem por Fortaleza com o Korzus para tocar no festival Ponto.CE. Como não rolou gravar o vídeo, entrei em contato com a Assessoria MP por meio de Isabele Miranda, assessora do Korzus. Readaptei as perguntas para um contexto mais atual e a seguir você pode conferir este papo com o grande Pompeu. Sobre o show que o Korzus tocou em Fortaleza no ano passado, eu estive lá e fiz uma cobertura pro canal (assista clicando aqui).

Gustavo: Olá Pompeu, obrigado pela disponibilidade de falar com o Detector de Metal. Preciso ressaltar que o primeiro vídeo aqui do canal foi sobre o Legion e isso marcou o início de tudo. O Korzus aí quase com 35 anos de carreira. Na sua opinião, qual foi o primeiro momento que, digamos, deu luz ao Korzus, fez a banda nascer? Seria a presença da música guerreiros do metal na coletânea SP Metal 2 de 85?

Pompeu: Sim, o SP Metal foi o ponta pé inicial em nossa carreira de uma forma profissional. Antes nós existíamos, mas na garagem.

Gustavo: Você ainda vê importância em coletâneas nos dias atuais para a divulgação de bandas pelo mundo?

Pompeu: Claro. Todas forma de divulgação é válida, das antigas as mais modernas.

Gustavo: Como você avalia hoje a carreira do Korzus? Houveram momentos em que você gostaria de voltar e ter feito alguma coisa diferente?

Pompeu: Sempre pensamos assim quando nossa vida em uma banda atinge quase 36 anos, isso é normal, pois estamos mais experientes, mais inteligentes e, o principal, mais respeitados.

Gustavo: Em diversas entrevistas você fala que vem de uma origem humilde. Claro que com muita luta a gente consegue conquistar as coisas, mas você acredita que o Metal e o Korzus foram o suficiente e principais incentivadores para você mudar sua vida?

Pompeu: Tudo foi uma batalha, seja onde fosse que eu resolvesse me dedicar profissionalmente, eu cresceria. Tive base de educação com meus pais, fui amado e toda a vida deles dedicada a mim, indiferente da classe social. Na minha casa era puro amor, a música e o metal em especial foi onde me encontrei. Juro a você que jamais imaginei me tornar um artista de verdade.

Gustavo: Na sua opinião, quais os novos desafios que se chega a uma banda brasileira quando se assina um contrato com uma gravadora gringa?

Pompeu: Provar que é bom em todas as categorias e até mesmo aquele tal de “o que passa pela cabeça deles”.

Gustavo: Como você vê as bandas novas e o atual “mercado”, se é que podemos chamar de mercado, para estas bandas novas de metal?

Pompeu: Vejo que as bandas novas daqui cometem os mesmos erros da minha geração. Não procuram ter uma sonoridade única quanto lá fora. É só ouvir as bandas novas daqui e já saberá como está lá fora (risos). Nós do Korzus iremos nadar contra essa maré. Todos indo para o norte e nós para o sul.

Gustavo: Há alguma banda que você para e pensa: “Uau, essa galera é boa” ? Se sim, quem?

Pompeu: Claro! O Mothera. Molecada do caralho! Sigam aí nas redes sociais: facebook.com/MOTHERA.Banda e Instagram: @motheraoficial. Inclusive estão com um trampo novo aí!

Gustavo: Nos dias de hoje, onde e como você acredita que uma banda pode ganhar dinheiro? Seria na sequência desenfreada de shows (Ex: TourBUS do Torture Squad) ou na enorme quantidade de merchandising, como um caminho para se conseguir um retorno financeiro?

Pompeu: Tudo isso! Mas sem ser alguém na cena, nada disso virá! Então vai ter que ficar um bom tempo sem ganhar para só depois ser conhecido. Aí é que mora seu verdadeiro valor e amor pelo metal.

Gustavo: Eu vi um post seu no Facebook em que você compartilhou um post da banda Oficina G3, que é uma banda cristã. Como você vê hoje essa rixa entre bandas de Black que se recusam a tocar com bandas de White? E qual sua posição sobre bandas cristãs. Você trabalha com algumas delas, não é?

Pompeu: Essa rixa (risos). Problema deles! E garanto também que bandas de white se recusam a tocar com as de black. Minha posição é bem clara! Não me importo com cover ou autoral, o importante é tocar metal. Acho que define, né? Quanto a trabalhar na área de produção musical, tanto faz se é black, white, blue ou red, se precisarem de mim e minha experiência, lá eu estarei!

Vamos falar agora um pouco dos discos do Korzus.

Gustavo: Você se arrepende de ter escrito as letras do disco Sonho Maníaco? Foi proposital ele ser tão podrão?

Pompeu: Não me arrependo. Não acho que ele era padrão para a época. Acho até que foi o primeiro trabalho Black Metal poderoso brasileiro, digo isso porque.. deixa pra lá (risos).

Gustavo: No EP “Pay For Your Lies”, tem uma música chamada “Elm Street”, que é a rua onde ocorrem os pesadelos da galera nos filmes “A Hora do Pesadelo”, com aparição do clássico Freddy Krueger. A música tem inspiração no filme? Ainda estendendo a pergunta. O Korzus gosta e/ou se inspira em filmes de terror na hora de compor?

Pompeu: Sim, totalmente no filme. Éramos vidrados na Hora do Pesadelo. Temos algumas músicas baseadas em filmes sim, nesse mesmo disco tem a “Born To Kill” também.

Gustavo: O Korzus começou com letras em português, depois passou a fazer discos com letras em Inglês. Houve algum motivo específico para esta mudança? Vocês queriam alcançar o mercado internacional com tal medida?

Pompeu: Sim, foi puramente para abrir fronteiras.

Gustavo: A música “Correria”, do disco “Ties of Blood”, foi a primeira música em Português depois de um período apenas com discos em inglês, a ingressar em um disco do Korzus. De onde veio essa ideia de por ao menos 1 música em português nos discos seguintes aos Ties of Blood?

Pompeu: Coisa minha! Visão social dos brasileiros, muitas batalhas, muito a fazer em pouco tempo, além também daquele lance de virarem as costas depois de tanto você ter feito a favor de A ou B.

Gustavo: O Mass Illusion tem uma música cover do Ultraje a Rigor, a clássica “Inútil”. A banda ultraje seria uma influência para vocês ou a escolha da música deu-se mais por uma questão política?

Pompeu: Foi apenas por zoeira, nada sério.

Gustavo: E sobre o disco novo. Quando ele sai? O que você pode nos revelar sobre ele.

Pompeu: Estamos formatando como ele será, para começar a composição. Tem uma música que vai sair logo menos e ela se chama “You Can’t Stop Me”, onde talvez falamos um clipe dela, sei la (risos). Mas esse ano daremos um grande passo para o novo álbum.

Gustavo: Você é dono do estúdio Mr. Som já há mais de 20 anos. Como você se interessou e ingressou nesse mundo da produção musical? Claro que o seu papel no Korzus deve ter tido uma influência.

Pompeu: Olha, foi muito de acompanhar as produções do Korzus. Acho que o Steve Evets foi uma grande influência! Outro lance, eu sempre me metia nas produções dos meus amigos, dando um gás e acabava virando o produtor. Comecei a ser requisitado e percebi que tinha que ter meu espaço, daí juntei grana e fui atrás.

Gustavo: A falta de profissionais da área levou você a estudar e produzir por conta própria os discos do Korzus? E como você vê hoje o mercado de produção musical no Brasil?

Pompeu: Hoje nem se compara aos anos 90, quando eu comecei.

Gustavo: O seu estúdio teve uma pitada de “Vou tentar ajudar essa galera a lançar CDs”, ou você sempre teve uma visão empresarial do que o estúdio te traria?

Pompeu: Sempre quis ajudar as pessoas a terem bons trabalhos. Vi um mercado aí e também para poder deixar a sonoridade da cena melhor. Acho que incentivei muita gente que esta nessa hoje.

Gustavo: Muita gente lhe associa como o “Pompeu do Korzus”. Mas eu quero saber, quem é o Pompeu quando não está em trabalho com o Korzus?

Pompeu: Um cara normal, que ri, que chora, que se dá bem, que se fode, que ama, que batalha, que acerta, que erra como qualquer um. Só não é mau, não é violento, não é vingativo, não guarda rancor, que perdoa a todos e que procura ser justo no equilíbrio do histórico da pessoa e não em um ato que me desagrade.

Gustavo: E para a última pergunta: Quais são os planos da banda para 2019? Quais os shows marcados? O espaço é seu.

Pompeu: O plano é o disco novo. É o livro da banda, relançamentos em vinil, nova linha merchandising e, quanto as datas, saberão via internet.

Deixe uma resposta

Próximos Eventos
Ver todos os eventos
Leia Também
Em recente postagem na sua conta oficial do Instagram, o líder do Megadeth anunciou que esta com câncer. Na postagem, Dave conta que enfrenta...
Os norte-americanos do Malevolent Creation anunciou em sua página oficial no Facebook que irão excursionar pela América Latina em 2020. A banda está vindo...
Segundo o jornalista argentino Christian Acosta, que quase sempre antecipa alguns eventos na América...
A banda santista de thrash metal/crossover/hardcore Surra lançou no último mês o seu mais...
Parceiros
OSBOX
Siga o Detector de Metal

Unable to display Facebook posts.
Show error

Error: Error validating access token: Session has expired on Sunday, 28-Apr-19 15:04:18 PDT. The current time is Monday, 17-Jun-19 10:21:22 PDT.
Type: OAuthException
Code: 190
Subcode: 463
Please refer to our Error Message Reference.