CDs | Extreme Power Metal – Dragonforce (Metal Blade, 2019)
10/10/2019 | Por
cds-extreme-power-metal-dragonforce-metal-blade-2019

Resenha por: Elias Cavalheiro

E finalmente falando sobre uma das minhas bandas favoritas e que ouço desde os meus 15 anos de idade. Dragonforce é uma banda que em seu início se deu de maneira bem tímida, com pouco reconhecimento internacional, apesar de seu estilo que misturava o Power Metal já consagrado por Helloween, Stratovarius e Angra, também permeava pela velocidade extrema das baterias do Death Metal. Não é a toa que a banda surgiu após o fim de uma outra banda de Death/Black Metal, Demoniac, da qual os 2 guitarristas (Herman Li e Sam Totman) faziam parte.

Mas enfim, Extreme Power Metal já está entre nós, sendo este o último álbum de estúdio com o baixista Frédéric Leclercq, que saiu da banda para integrar o Kreator, e o primeiro álbum sem o tecladista ucraniano Vadim Pruzhanov, que saiu da banda em meados de 2018 de uma forma bem esquisita. Ele alega que a banda mudou muito seu marketing e sua proposta inicial nos dois últimos trabalhos em estúdio, tendo uma sonoridade mais próxima do Demoniac (O que é plausível, já que o disco anterior, Reaching Into Infinity, realmente soava como um Death Metal Melódico em algumas faixas. Porém quem em pleno 2019 ainda decide manter a mesma receita de bolo e opta por não expandir seus horizontes artísticos?). Além disso Vadim também estava sem tempo para a família e, mais recentemente, mudou de religião.

Tendo em vista tudo isso, espera-se que o álbum seja ruim, ou no máximo mediano. O que não ocorre aqui, claro que é um álbum menos expressivo em comparação com o anterior e principalmente ao Maximum Overload, pois Vadim faz falta, porém os teclados foram gravados por Coen Janssen, o tecladista da banda Épica. Sabendo disto, vamos as músicas:

1 – Highway to Oblivion: Não somente essa música, mas toda a atmosfera deste disco é futurista, os clipes (incluindo o desta música) lembram muito a visão futurista que se tinha nos filmes dos anos 1980 e 1990. Os elementos que caracterizam a banda estão todos aqui: melodias em coro com os back vocals, introduções bem produzidas, e claro, a velocidade que fez a banda se tornar conhecida mundialmente. As letras não são o forte da banda, por serem em sua maioria temas pouco aprofundados. Temos então uma boa faixa de abertura que vai mostrar a ambientação de quase todo o disco.

2 – Cosmic Power of the Infinite Shred Machine: Outra música com boas melodias vocais acompanhadas com ótimos backs. O refrão funciona muito bem, já destacando que Marc Hudson aparenta estar bem à vontade nesse álbum. A partir dos 3 minutos a música fica um pouco mais lenta, em seguida passa para uma parte que o som cresce progressivamente que ficou simplesmente sensacional, Coen Janssen e os dois guitarristas estão de parabéns nessa música. O único problema dela ao meu ver é o título que convenhamos, é imenso.

3 – The Last Dragonborn: Primeiro grande ponto forte e um dos motivos para se ouvir esse disco é justamente essa música. Logo no início parece que estamos ouvindo Epica, ao invés de Dragonforce. Na primeira vez que ouvi essa música percebi essa diferença de estilo e fui me informar em quem gravou os teclados, e eis que vi que era justamente o tecladista do Epica. Coen Janssen conseguiu colocar suas características que o consagraram no Epica dentro de uma banda com uma proposta diferente (afinal uma banda é de metal sinfônico, e a outra é de power metal). A música fala sobre a jornada de um povo sob o cenário de guerra da China antiga. Música mais que merecida de ser tocada nas turnês.

4 – Heart Demolition: E finalmente chegamos na principal música do disco (e talvez a melhor, juntamente com the Last Dragonborn). A interpretação da letra é bastante ambígua, pois pode se referir desde a um relacionamento com uma outra pessoa, ou com o apego da infância do personagem. O que é bem justificável já que o clipe trata de muitas coisas referentes a cultura dos anos 1980 e 1990, e acredite, o clipe tem muitas referências legais, desde filmes como Exterminador do Futuro, até mesmo jogos de vídeo game, como Starfox. Além de também possui um refrão que com certeza o fará cantarolar no dia a dia.

5 – Troopers of the Stars: A quinta faixa desse álbum não se destaca tanto quanto as anteriores, ela tem o seu andamento rápido assim como as anteriores, mas nada de muito impactante. Essa possui uma referência a Cry for Eternity, do Inhuman Rampage.

6 – Razorblade Meltdown: Não vou mentir, a introdução dessa música é bem legal, assim como o clipe em desenho animado, mais uma vez cheio de referências. O título da música também é bastante sem noção (Fusão da Lâmina de Barbear), porém a melodia é boa, já a letra mais uma vez remete a momentos saudosistas do ponto de vista do narrador, há até algumas palavras em finlandês com o intuito de fazer soar bem em alguns versos.

7 – Strangers: A maioria dos B sides da banda são músicas menos expressivas comparadas com as primeiras, só que curiosamente não é o que acontece aqui. Essa música é bastante boa, e fala sobre a sensação de nos sentirmos estranhos em novas cidades ou horizontes quando estamos em busca de nossos objetivos. Um riff bem forte, um refrão bem melódico, e um solo bem virtuoso são as principais características dessa excelente faixa.

8 – In a Skyforged Dream: Outra música boa, rápida, porém cadenciada, não dá a impressão de estar ouvindo sempre a mesma coisa. Fica o destaque para o pré refrão e para os bons solos de Herman Li e Sam Totman. O ponto negativo fica para os teclados pouco expressivos e audíveis. A letra nesta música fala de se libertar das condições negativas impostas pelo mundo e ser livre, um pouco clichê, por sinal.

9 – Remembrance Day: Uma música iniciada em uma gaita de fole quase sempre será uma boa música. Trata-se de uma música em homenagem a todos aqueles que morreram lutando pelos seus sonhos e pela liberdade, defendendo seus reis e rainhas. O fato de se ter uma gaita de fole (instrumento muito característico da Escócia) e uma música falando para nos lembrarmos dos nossos heróis do passado nos remete na verdade a uma homenagem aos guerreiros que lutaram pela Escócia em épocas passadas.

10 – My Heart Will Go On (Celine Dion Cover): A música começa em 8 bits, só por isso já vale 5 estrelas. Mas deixando as piadas de lado, mais uma vez o Dragonforce consegue com perfeição fazer boas adaptações de músicas que não são do gênero rock ou heavy metal. Já fizeram um bom cover com Ring of Fire, do Johnny Cash, e não foi diferente dessa vez.

Sobre o álbum num geral: A banda permanece no caminho certo, porém ele é menos explorado musicalmente que seus 2 antecessores. Parte desse pequeno problema se deve principalmente a saída de Vadim Pruzhanov, que fez muita falta em algumas músicas. E essa foi mais uma resenha, espero que tenham gostado!

Deixe uma resposta

Apoiadores
Próximos Eventos
Ver todos os eventos
Leia Também
Show será dia 18 de janeiro, no Pirata Bar, e valores de ingressos serão divulgados em breve Em entrevista durante uma live no jornal...
Banda realizará um show especial no SESC Belenzinho, em São Paulo, no dia 13 de dezembro...
Reflexões sobre a desumanização do indivíduo, a busca pela liberdade e pela resistência à imposição...
Show do Stratovarius em Fortaleza reuniu fãs que aguardavam ansiosos do lado de fora...
Parceiros
OSBOX
Siga o Detector de Metal

Unable to display Facebook posts.
Show error

Error: Error validating access token: Session has expired on Sunday, 28-Apr-19 15:04:18 PDT. The current time is Monday, 09-Dec-19 21:45:56 PST.
Type: OAuthException
Code: 190
Subcode: 463
Please refer to our Error Message Reference.