CDs | Dominion – Hammerfall (Hellion Records, 2019)
30/08/2019 | Por
dominion

Review feito por: Elias Cavalheiro

dominionHammerfall lançou no dia 16 de agosto o seu mais recente álbum, Dominion, sendo este o 1º trabalho em estúdio da banda que sucede o Build to Last, lançado em 2016. Dominion já se mostra um álbum bem mais inspirado que seu antecessor, a começar pela primeira faixa, Never Forgive, Never Forget, que inicia de maneira lenta e pouco a pouco vai ganhando força, sendo uma boa música de abertura para os futuros shows da Turnê.

Em seguida vem a faixa título, Dominion, que pra muitos (inclusive pra quem vos escreve) é a melhor música deste grande disco. Seu riff inicial é bastante marcante, as melodias das guitarras acompanhadas de andamento lento da bateria, porém pesado. Com certeza se tornará um grande clássico para consagrar ainda mais a carreira da banda. Seguindo com as músicas Testify e One Against the World. Testify logo nas primeiras notas e pelo riff rápido até chega a lembrar algumas bandas de metalcore, como o Killswitch Engage e o Bullet For My Valentine. Nessa música merece o destaque também a voz de Joacim Cans que consegue exercer com muito êxito as notas altas e as notas graves, sem perder o brilho. One Against the World tem menor expressão se comparada com as anteriores, fica o destaque para o refrão em coro que é bem marcante.

A quinta faixa, (We Made) Sweden Rock, possui de longe o melhor refrão deste álbum, além de um ótimo solo de guitarra. Música garantida nas apresentações ao vivo. A balada deste disco fica com a música Second to One, que inicia num piano bastante melancólico e com os vocais impecáveis de Joacim Cans, lembrando muito a clássica e inesquecível Glory to the Brave, porém aqui a música só começa a ganhar peso aos 2 minutos, seguido de um solo lindíssimo de guitarra que harmoniza perfeitamente com o piano. Outra música que não pode faltar nos shows ao vivo.

Muitos discos de bandas famosas costumam ter um B side menos expressivo do que as primeiras músicas, o que definitivamente não acontece aqui. Scars of Generation e Dead by Dawn são faixas incríveis, que dão um novo gás ao álbum. A sétima faixa do álbum é rápida, agressiva e foi uma das que mais ouvi (e reouvi) para escrever esta análise. Já Dead by Dawn é um pouco mais cadenciada, com refrão forte e com ótimos solos de guitarra. Battleworn é uma curta faixa introdutória para a décima música, Bloodline, esta que será um total desperdício da banda se for deixada de lado nas apresentações ao vivo. Nesta música a bateria quem conduz os outros instrumentos, como se de fato ela estivesse na frente. Os solos de guitarra depois da metade da música são bem executados e as vozes conseguem levantar um coro que empolga muito nos refrões.

Chegando ao final de Dominion, Chain of Command é a penúltima música e é a mais apagada do disco. Não há muito o que se falar aqui, não é uma música ruim, apenas não está na mesma qualidade e inspiração das outras. And Yet I Smile é a 12º e última música, quase que uma balada por ser mais tranquila em relação as anteriores e faz bem seu propósito de finalizar este excelente trabalho que supera e muito o disco de 2016. Espero que a banda continue com sintonia para que mais discos como estes apareçam nos anos seguintes.

Deixe uma resposta

Apoiadores
Próximos Eventos
Ver todos os eventos
Leia Também
Enquanto o concurso para a escolha do novo baixista da Hard N’ Dogs seguia firme e forte, a banda entrou em estúdio para gravar...
A viagem que o Detector de Metal fez ao Wacken Open Air 2019 tinha que ficar registrada de uma forma que fosse além dos...
Festival fará pela primeira vez na história, uma edição virtual mesclando melhores momentos de...
Músico já havia sido preso em 2018, quando confessou algumas das acusações...
Parceiros
extremo-metal-jampa
OSBOX
Siga o Detector de Metal