Por quê ir a um show do Belphegor?
01/03/2018 | Por
Por quê ir a um show do Belphegor?

Uma vez eu li a seguinte frase: “A maior astúcia do Diabo é nos convencer de que ele não existe”, escrita pelo poeta francês Charles Baudelaire. Ele existe e tem nome, aliás 7 nomes, e um deles é: BELPHEGOR. Quer encontrá-lo? Te diremos quando e onde.

Os austríacos do Belphegor estão vindo para tocar pela 3ª vez em Fortaleza – e também no Recife dia 02/03 e São Paulo no dia 04/03 – neste Sábado (03 de março) e trarão a turnê do novo disco “totenritual”, lançado no ano passado. E o Detector de Metal estará presente no show para registrar o máximo possível e colocar nos próximos vídeos do canal. Pensando neste grande hype que estamos passando – e acredito que muitos headbangers também – resolvemos inaugurar a nossa sessão ‘Coluna DM’ com alguns tópicos que farão você refletir: Por quê ir a um show do Belphegor, caso ainda esteja com dúvida.

 

1. O Belphegor não trata os seus shows como meros shows, onde você coloca caixas de som, liga o P.A, pano de fundo, guitarra plugada na caixa e emissão do seu som para os demais. Os austríacos ministram o momento como uma cerimônia, uma espécie de RITUAL. O ambiente fica altamente ambientado e a atmosfera (por que não dizer também a energia) do local muda drasticamente. Você sente a presença de alguma coisa, só não sabemos ao certo o quê.

 

2. Palco temático. O Belphegor, mesmo que de uma forma simples, sempre enfeita o seu palco com ossos, crânios, velas e tudo que tiver direito. Estes artefatos contribuem com o clima de cerimônia/ritual no qual mencionamos acima.

Por quê ir a um show do Belphegor?

 

3. A banda vem divulgando o álbum sucessor do “Conjuring The Dead”, como mencionamos antes, o “Totenritual” é a bola da vez e reforça toda a ideia de ritual no qual trabalhamos aqui. Estão se perguntando por quê? Basta ouvir o disco e ler as letras que a banda escreveu. O disco “Totenritual” foi lançado via Nuclear Blast, uma das maiores gravadoras especializadas em metal do mundo, se não a maior. Ou seja, os caras são muito respeitados lá fora.

 

4. Se o palco fica todo caracterizado e bem decorado, não podemos deixar de mencionar a presença e a imagem da banda sobre ele. O Belphegor usa corpse paint com vermelho, simbolizando o sangue. Além da maquiagem, as roupas do Belphegor impõe muito respeito, principalmente no grandalhão Helmuth.

 

5. Isentos de qualquer religiosidade. Embora frequentemente associados ao satanismo, os integrantes da banda são ateístas. Não acreditam na existência de deuses nem de demônios, mas usam do simbolismo satânico como meio retórico de se contraporem à cultura religiosa cristã. O nome Belphegor provem da mitologia cristã e é descrito na bíblia como o demônio da preguiça.

 

6. Performance e vivem na pele o que de fato transmitem. Muitas bandas por aí apenas tocam e nós conseguimos sentir que elas não vivem na pele tudo aquilo que nos passam. Podemos chamar de bandas sem essência ou algo do tipo, mas isto não é o foco da matéria. Quero ressaltar que em um show do Belphegor, você vai sentir por parte dos membros da banda, todo o envolvimento deles com a sua arte, com sua música e com a proposta da banda.

helmuth belphegor

7. O som! O SOM DO BELPHEGOR AO VIVO É ALGO ESTRONDOSO, principalmente se a casa disponibilizar um som de qualidade. É muita porrada bem na sua cara anestesiada com todo o visual e a atmosfera do local. Belphegor é um ritual para sair de lá renovado.

 

E você, já viu os austríacos ao vivo? Comente o que você acha do show.

 

Texto: Gustavo Queiroz

Fotos: nextmosh e Gandhi Guimarães

Belphegor no Recife

Belphegor em Fortaleza

Realização: Darkdimensions

Deixe uma resposta

Apoiadores
Próximos Eventos
Ver todos os eventos
Leia Também
A banda que vem ganhando espaço no cenário nacional  A cena musical do Ceará é indiscutivelmente uma das mais ricas, nuances que vão do...
Faixa integra o álbum “Metaphor”, terceiro do grupo de death metal melódico Após o lyric video de “They Arrive”, o Hatematter apresenta o clipe...
“Bad Habits Never Die” sucede o debut “Hård:On”, que obteve destaque como um dos...
Criado na edição de 2017 do Rock in Rio, o Rock District, um bairro...
Parceiros
Burn Artworks
Siga o Detector de Metal